Creating and sharing knowledge for telecommunications

Variações das cargas interna e externa em jogos reduzidos com diferentes regimes de treino

Clemente, F.M.C. ; Peixoto, D. ; Gomes, M. ; Moreira, M. ; Silva, L.

Variações das cargas interna e externa em jogos reduzidos com diferentes regimes de treino, Proc Conference of Sociedade Científica de Pedagogia do Desporto, Coimbra, Portugal, Vol. , pp. - , November, 2019.

Digital Object Identifier:

Abstract
OBJETIVO: O presente estudo objetivou comparar os efeitos de dois regimes de um jogo reduzido nas medidas de carga interna e externa em futebolistas amadores. MÉTODOS: Participaram no estudo 10 futebolistas masculinos (idade: 19,8(1,6) anos; experiência federada: 8,3(2,1) anos). O estudo decorreu em quatro dias distintos e ao longo de duas semanas (duas sessões em cada) tendo-se adotado o formato de jogo 5 vs. 5 com balizas reduzidas num campo de 30x30 metros. Os regimes de 3x6 e 6x3 minutos ambos com 2 minutos de recuperação foram comparados. Procedeu-se à monitorização dos futebolistas com cardiofrequencímetros (Polar H7) e GPS (10 Hz, Johan Sports). A perceção subjetiva de esforço (PSE) na escala de CR-10 e a percentagem de frequência cardíaca máxima (%FCmáx) foram definidas com medidas de carga interna. No que se refere à carga externa analisaram-se as medidas de distância total (DT), distância em corrida (DC: 14.0-19.8 km/h-1), distância em corrida de alta velocidade (DCAV: >19.9 km/h-1), velocidade máxima (VM) e player load (PL). Os valores de carga externa foram estandardizados ao minuto. Executou-se o teste t-independente para um nível de significância de p < 0,05, seguido do cálculo do d de Cohen (d) para inferir a magnitude do efeito. RESULTADOS: Verificou-se que os valores médios de PSE (diferença de médias [dif]: 0,54; p = 0,028; d = 0,351) e VM (dif: 0,94; p = 0,016; d = 0,410) foram estatisticamente superiores no regime 3x6 min. Opostamente, observaram-se valores médios superiores de DT (dif: 9,53; p = 0,000; d = 0,871), DC (dif: 2,30; p = 0,006; d = 0,464), e PL (dif: 0,55; p = 0,007; d = 0,463) no regime 6x3 min. Não se verificaram diferenças estatisticamente significativas na %FCmáx (dif: 0,88; p = 0,552; d = 0,095) e DCAV (dif: 0,12; p = 0,547; d = 0,090). CONCLUSÕES: Regimes de prescrição com intervalos de duração mais reduzidos aumentam, com expressão significativa, os valores médios de intensidade no que aos valores de carga externa diz respeito sem causar tanto impacto na perceção subjetiva de esforço como intervalos maiores.
Palavras-chave: monitorização da carga; exercício de treino; jogos condicionados.